BÏNaif 2019

pastedGraphic.png

A BÏNaif 2019 foi composta pelo conjunto de obras nacionais e internacionais dos artistas selecionados através de um edital, por um Comitê artístico, com profundo conhecimento sobre o assunto, composto por Antonio Naves, Romildo Santana e Valdeck de Garanhuns. Somam-se a essas obras, as pinturas dos artistas convidados,  e as dos dois patronos homenageados dessa edição da Mostra: Tânia de Maia Pedrosa e Henry Vitor. Através da  ação « Vitrines da Bienal » obras de arte naif foram espalhadas pela cidade nas « Vitrines » de empresários parceiros, levando a arte naif para fora do Museu.

No 19 de setembro de 2018 a literatura de cordel ganhou título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. A BÏNaif 2019 presta uma homenagem especial a esse gênero literário, seus poetas, declamadores, editores, ilustradores (desenhistas, artistas plásticos, xilogravadores) e folheteiros (como são conhecidos os vendedores de cordel).

Festa com as cores vibrantes do naif na abertura da BÏNaif 2019

A abertura da 2a edição da BÏNaif – Bienal Internacional de Arte Naïf Totem Cor-ação, sob coordenação de suas idealizadoras: Marinilda Boulay, o « Totem », e Rosângela Politano o « Cor-Ação », desenrolou-se no final de semana do 14 e 15 de setembro 2019 quando a mostra iniciou entre cortejos, homenagens, debate de ideias, teatro de mamulengo, publicação de cordel e de catálogo. Esse conjunto de atividades foi compartilhado entre os artistas de diversas regiões do país e seus familiares, vindos especialmente para o evento, os artistas locais e o público.

Segue a sua programação de abertura:

Sábado – 14/09/2019

14h às 15h – Mesa redonda “Arte naif passado, presente e futuro » no Hotel Alpes Fazenda das Aguas em Socorro-SP. Moderação Marinilda Boulay, componentes: Célia Santiago; Rosângela Politano, Paulo Dud e Valdeck de Garanhuns.

19H30 – Abertura oficial no Anfiteatro do Centro Cultural de Socorro- SP

20h30 – Cortejo precedido pela Congada de São Benedito e Divino Espirito Santo de Socorro e pela Folia de Reis do Bairro do Livramento, entre o Centro Cultural e o Museu Municipal de Socorro – visita da exposição e coquetel.

Domingo 15/09/2019

16h30 Espetáculo no Centro Cultural de Socorro-SP : Teatro de Mamulengos com Valdeck de Garanhuns e seu grupo.

Na propriedade de Marinilda e Bruno Boulay, sede do ITC, Instituto Totem Cultural, os artistas foram recebidos com um café caipira de boas vindas, realizado pela Irene e sua mãe Maria José do « Sabores do Currupira », na decoração flores de palha de milho, e na farta mesa nossas especialidades gastronômicas, inclusive o « João deitado », bolinho de fubá de milho cozido na folha da bananeira, do qual poucos socorrenses ainda detém a receita.

Da esquerda para a direita Isabel representante da ACE, Mayara Nardes,coordenadora do Museu Municipal, Prefeito André Bozolla,Bruno e Marinilda Boulay, Tiago Faria, Rosângela Politano, representantes institucionais da cidade de Itapecerica da Serra e Carlos Calderari. Durante o café caipira no ITC.

 

A artista que recebeu o prêmio aquisição 2019, Alice Masiero é a segunda da esquerda para a direita entre Marcelo Shimanesky e Rimaro, entre outros artistas no ITC.

Entre autoridades, parceiros, e convidados, os artistas iniciaram duas telas coletivas, que foram sendo realizadas ao longo dos dois dias do evento. A artista Marilene Gomes hospedada no espaço dedicado às residências de artista no ITC, deixou uma obra ali produzida durante sua estadia.

Marilene Gomes pinta uma das telas coletivas realizadas durante o evento.

Em seguida o almoço e o debate de ideias aconteceram no Alpes Fazenda Hotel, numa altitude de mais de 1400 metros, revelando na paisagem o porque nossa cidade também é chamada de Morena da Fronteira, ficando entre o  café paulista, e o relevo mineiro, suspensa por um mar de montanhas. A tarde os artistas puderam saborear um gostoso café caipira oferecido pela ACE, Associação Comercial e Empresarial de Socorro, quando receberam o catálogo da mostra, e uma caixinha, realizada em cerâmica por Marinilda Boulay para ali guardar os tesouros colhidos durante o evento.

Na abertura oficial, entre pronunciamentos e homenagens, aconteceu a performance do artista « Indio Gladiador » de Palmeiras na Bahia, que veio especialmente com sua indumentária composta por elementos de reciclagem recolhidos pelo próprio artista, que por si nos lança a reflexão de como o processo de reciclagem pode ser transformador para o desenvolvimento da sustentabilidade. Ele nos convida a adotar um recipiente que permita parar de utilizar os copos plásticos, sobretudo nas portas da primavera e do verão, onde o consumo de agua é ainda maior.

Gil, diretora de teatro e Indio Gladiador na abertura da exposição no Museu Municipal.
Artista Indio Gladiador durante sua fala/performance na abertura da BÏNaif 2019.

Dali, conduzidos pela Congada de São Benedito e Divino Espirito Santo e a Folia de Reis, os artistas e o público descobriram a grandiosidade da exposição propriamente dita no Museu Municipal.

No domingo os artistas e convidados puderam degustar um almoço caipira com vivências artísticas e novos pronunciamentos no Projeto Cor-Ação, onde o escultor Jovino Gama em residência artística, desenvolvia um São Francisco esculpido em madeira. Destacamos a consolidação de uma parceria com a cidade de Itapecerica da Serra, que desde esse ano jà dedicou uma « Vitrine » à BÏNaif em sua Prefeitura.

O escultor Jovino Gama no projeto Cor-Ação.

A tarde pequenos e grandes divertiram-se com o Teatro de Mamulengos do grupo de Valdeck de Garanhuns, que foi dedicado ao patrimônio imaterial brasileiro, com foco no cordel, e na xilogravura, aos quais essa edição da BÏNaif  presta homenagem.

Muitos artistas continuaram na cidade depois do evento de abertura; destacamos a estadia do artista paraibano Tito Lobo, que realizou oficinas gratuitas às escolas públicas no Museu Municipal.

Com visitas acompanhadas e oficinas,  a exposição encerra no 15 de outubro no Museu Municipal de Socorro-SP.

Obras de arte também podem ser vistas nas « Vitrines da Bienal », ação dentro da Mostra, que como em sua primeira edição em 2017, espalhou  pinturas pela cidade nas « Vitrines» de empresários parceiros, levando a arte a um número cada vez maior de pessoas. As « Vitrines da bienal » são: ACE – Associação Comercial e Empresarial de Socorro-SP;  Alpes Fazenda Hotel;  Biblioteca Municipal; Casa das Artes, Cervejaria Ecobier; Jornal O Município; Lubeck Bar & Restaurante; Papelarias Costa e Peretto; Portal das Artes;  Pousadas: Carandiru, Jantonio, Luz da Lua, e Manacás; Prefeitura de Itapecerica da Serra; Refrigerantes Mantovani; Restaurante Marchetti; Restaurante do Pedro; Sobradão Lanchonete e Pizzaria; Socopisos;  Via C Malhas e Tricô.

A BÏNaif – Bienal Internacional de Arte Naïf  Totem Cor-Ação é uma realização do ITC – Instituto Totem Cultural, e do Projeto Cor-Ação com o apoio institucional da Prefeitura Municipal de Socorro-SP , através da Secretaria Municipal da Cultura e da Secretaria Municipal de Turismo , Museu e Biblioteca Municipais, do ComupC – Conselho Municipal de Políticas Culturais e do Comtur – Conselho Municipal de Turismo, da ACE – Associação Comercial e Empresarial de Socorro-SP, e de seus empresários, e sendo colaborativa ela tem o apoio de todos os artistas e profissionais que dela participam!

Nùmero de obras da BÏNAif 2019: 

211 obras, dos 156 artistas listados abaixo (alguns com 2 ou mais obras) :

Patronos homenageados:Tânia de Maia Pedrosa e Henry Vitor

Homenagem à xilogravura e ao cordel:Marinilda Boulay e Rosângela Politano

Artistas participando: Adriano Dias, Alex dos Santos, Alex Freire, Alice Masiero, Ana Emunds, Andréa Teixeira Leite, André Cunha, André Rongo, Anoushe Duarte, Ariane Krelling, Arieh Wagner, Arivânio Alves, Benedito Sebastião Barbosa, Beto de Souza, Bia Teles, Capenee, Carlos Calderari, Carlos Valério, Carminha, Cecilia Menezes, Celia Gondim, Cesar Lima, Claudia Bergel, Con Silva, Cora Azêdo, Danbeco, Dani Vitório, Denise Faro, Doni7, Dulce Martins, Edi Politano, Eliana Martins, Elieth Gripp, Erci Eliane Baldini Garcia, Fabiana Hartlich, Flávia Maria Oliveira, Gerson Lima, Giancarlo Souto, Gildo Xavier, Hebe Sol, Helena Vasconcellos, Joana Puglia, João Generoso, José Raimundo, José Roberto Furlan; Juliano Silva, Leo Capranico, Leonilda Santos, Luiz Valdo, Lu Maia, Marcelo Schimanesky, Marcia Francisco, Marcos Melhado, Maria, Meire Lopes, Miren Durne, Mônica Alvarenga, Neo Brasil, Nilda Neves, Nilson Rodrigues de Oliveira, Parisina Ribeiro, Patricia Helney, Pedro Galvão, Regina Bartilotti, Regina Puccinelli, Renata Matusceviko, Rimaro, Roberto Carvalho, Roberto Medeiros, Roberval Rodan, Robson Miguez, Rodrigo Manoel da Silva, Rodrigues Lima, Rogério Bittencourt, Rolemberg (Rola Dantas), Ruiy Moura,  Ruy Relbquy, Sandra Scavassa, Jovino Gama, Silvana Búrigo, Sihel, Silvia Maia, Tercilia dos Santos, Thiê (Terezinha Sordi), Tiago da Cruz, Vânia Alveira, Vânia Cardoso, Vânia Furlan (e coletivos de bordadeiras – ver todos os nomes mais abaixo), Vera Lucchini, Waldeci de Deus, Wladmir Amoroso. Total de 94 artistas

Vânia Furlan e Coletivos de bordadeiras: 

Obra 1- Coletivo do Programa UniversIDADE/Unicamp –Turma: 772: Alda Menezes Paixão Steinscherer; Eliana Balesteros Bueno Gadelha; Eliane Maria Rodrigues; Maria Gineusa de Medeiros e Souza; Heloisa Buitor Leme Pasqual; Iná Aparecida de Toledo Piza Furlan; Margareth Midori Nakanishi Syma; Maria Lúcia Souto do Nascimento; Maria Luiza Calegari Coelho; Marilda Mendes de Souza; Marlene Ayres Nania; Marta Madalena Ferreira Delgado; Raymunda Couto Menezes; Rosangela Pereira da Silva Bormio; Vânia Furlan;Vitorina Vieira Scarpa, (16 bordadeiras).

Obra 2- Coletivo do Programa UniversIDADE/Unicamp – Turmas: 771 e 935: Aparecida Rodrigues Estape; Aulicea de Lima Pereira (Céia); Beatriz Franco de Oliveira Serra (Péu); Célia Caliento Barone; Ionara Urrutia Moura; Joana Maria da Silva; Joanita da Rocha Araújo; Joaquina Gomes de Lima Teixeira; Margareth Midori Nakanishi Syma; Maria Aparecida Pacheco Cruz; Nuri; Raymunda Couto Menezes; Rosemeire Aparecida Corat; Terezinha Rodrigues da Silva; Vânia Furlan;Vitorina Vieira Scarpa, (16 bordadeiras).Total : 32 bordadeiras nos dois coletivos

Artistas convidados:Américo Poteiro, Amomm Hebrom de Deus, Assane Gning, Camps, Célia Santiago, Fátima Camargo, Indio da Cruz, J. Borges, J. Miguel, José Altino, Lourdes de Deus, Marilene Gomes, Omar Souto, Raquel Gallena, Regina Drozina, Sebá Neto, Sebastião Fornari Valente, Shila Joaquim, Stejpan Pongrac, Tito Lobo, Tonia do Embu e Waldomiro de Deus, (22 artistas).

Arte Bruta: Indio Gladiador (Ednaldo Ferreira de Souza) e Stephanus (Stevenson Mochini).

CONFIRA A LISTA DAS OBRAS E ARTISTAS SELECIONADOS BINAIF 2019

Como nasceu a BÏNAif – Bienal Internacional de Arte Naïf  Totem Cor-Ação

A cidade de Socorro no interior de São Paulo afirma-se com muita potência não somente como um destino turístico disputado, como também enquanto importante polo de produção de obras caracterizadas pela estética naïf, isto é, que representam a criação primitiva, ingênua, espontânea e popular.

Os seus artistas têm tido suas obras escolhidas para fazer parte de acervos de importantes museus dedicados a esse estilo de pintura, participado de várias exposições, mostras e bienais, como a Bienal de Arte Naif do SESC-Piracicaba, considerada até então a mais expressiva do país.

O projeto Cor-Ação que vem sendo desenvolvido na cidade desde 2013 sob a coordenação da artista  Rosângela Politano e responsável   por esta  realidade.

Através de oficinas, workshops, bate papos, mostras e exposições o projeto também acompanha a carreira dos artistas viabilizando inscrições e participações em importantes exposições.

Foram realizadas pelo projeto até então cinco exposições anuais, sendo que as duas  últimas ocorreram em coordenação com a associação socorrense ITC – Instituto Totem Cultural.

Essas exposições inspiraram a criação dessa BÏNAIF, a qual leva o  “Totem Cor-Ação” no seu nome por causa da frutuosa parceira entre o Projeto Cor-Ação e o ITC- Instituto Totem Cultural sendo Rosângela Politano e Marinilda B. Boulay suas idealizadoras e coordenadoras.

A continuidade  desse trabalho  torna a BÏNAIF uma referência para todos que possuem algum vinculo com esta produção – artistas, pesquisadores, colecionadores, galeristas, educadores, estudantes e apreciadores.